A audiência pública realizada pela Assembleia Legislativa na noite de terça-feira (27), na Câmara de Vereadores de Navegantes, amenizou o clima de revolta e impaciência entre os moradores em torno da travessia sobre o rio Itajaí-Açu. A comunidade aproveitou o evento promovido pela Comissão de Transportes e Desenvolvimento Urbano da Assembleia Legislativa de Santa Catarina, por proposição do deputado Ivan Naatz (PV), para repetir a histórica cobrança pela construção de uma ponte que una os dois municípios e por melhorias no serviço de ferry boat que há décadas faz a travessia como alternativa ao trânsito via BR-101.

Na audiência, ficou claro que a melhor alternativa seria uma ponte na região da Barra do Rio, à montante do Itajaí-Açu, com vão entre 30 e 38 metros. A localização é um ponto chave no custo da obra – uma ponte no Centro na altura do terminal principal do ferry boat, seria inviável economicamente. O local já foi apontado como propício no levantamento feito pelo projeto InovAmfri, de mobilidade regional, que prevê financiamento das obras por parte do Banco Mundial.

Muita reclamação

Durante mais de duas horas de debate acalorado, os deputados ouviram uma série de acusações contra a empresa permissionária do ferry boat, a NGI Sul. Questões como falta de segurança tanto nas embarcações como nos terminais de embarque e desembarque, alto preço das tarifas, suposta sonegação de impostos e dificuldades para o pagamento do serviço, já que cartões de crédito não são aceitos pela empresa, foram a tônica das reclamações.

Encaminhamentos

Ao final do encontro, o presidente da Comissão de Turismo e Meio Ambiente, deputado Ivan Naatz anunciou uma série de encaminhamentos. O principal deles uma ação conjunta com os deputados Ana Paula da Silva (PDT), Ana Caroline Campagnolo (PSL), Coronel Mocelin (PSL), Vicente Caropreso (PSDB) e Maurício Eskudlark (PL), que representam a região, para iniciar o trabalho de uma proposta orçamentária para a obra de construção de uma ponte e na sequencia, a elaboração de um projeto executivo.

Fórum Parlamentar

Naatz sugeriu ainda o engajamento dos representantes catarinenses no Congresso Nacional para ajudar na demanda apresentada. “Vamos reunir o Fórum Parlamentar Catarinense, que une todos os senadores e deputados federais do Estado, para entregar a pauta desta audiência. Assim eles vão conhecer a demanda e ajudar a buscar recursos federais”, anunciou o deputado.

Fiscalização

Ficou definido ainda que um ofício será enviado à Secretaria de Infraestrutura pedindo a fiscalização de segurança do ferry boat em função das denúncias trazidas para a audiência. Outro oficio será expedido para a Procuradoria Geral do Estado para conhecimento das manifestações sobre a suposta sonegação de imposto de renda por parte da NGI Sul e orientando sobre a urgente necessidade de serem colocadas em práticas as medidas devidas.

Novo encontro

Foi determinado que uma nova audiência pública acontecerá dentro de seis meses, em março de 2020, já com a presença de uma comissão permanente de acompanhamento das demandas e composta por membros das Câmaras de Vereadores de Itajaí e Navegantes, das prefeituras, entidades comunitárias e usuários. “O importante é dar o primeiro passo efetivo para construir uma ligação alternativa ao ferry boat”, explicou Naatz, acrescentando que o porte econômico de Itajaí, Navegantes e região justifica a obra da ponte a exemplo do que já existe em outras regiões semelhantes do país.

Ausência

O prefeito de Itajaí, Volnei Morastoni (MDB), que em entrevista a O Nosso Jornal disse recentemente que iria lutar por melhorias no ferry boat, não apareceu na audiência, tampouco se fez representar, já o prefeito de Navegantes, Emílio Vieira (PSDB), foi representado pelo secretário de Segurança Pública, Johnny Coelho.

DEIXE UMA RESPOSTA